• Associação dos Amigos do Arquivo Público do Paraná
  • portal da transparência

Parcerias

  • Memórias Relevadas
  • Arquivo Nacional
  • Brasil - Um país de todos
  • Lei de Incentivo à Cultura - Ministério da Cultura
  • Deap e UFPR organizam arquivos do Conselho Regional de Desportos



    Uma parceira entre o Departamento Estadual de Arquivo Público (Deap), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Administração e da Previdência, e o Departamento de História da Universidade Federal do Paraná (UFPR) está permitindo a descrição arquivística do acervo do Conselho Regional de Desportos (CRD) entre os anos de 1941 a 1985. O trabalho foi reconhecido pela Revista Acervo, do Arquivo Nacional, uma das mais respeitadas do País, que publicou artigo na última edição online. 

    O texto é assinado pelo Dr. Luiz Carlos Ribeiro, da UFPR; pela diretora do Deap, Maria da Graça Simão Gonçalves; pela coordenadora de Documentação Permanente do Arquivo Público do Paraná, Solange de Oliveira Rocha; e pelo coordenador do Programa de Gestão Documental do Arquivo Público do Paraná, Gilberto Martins Ayres.

    O Conselho Nacional de Desportos e os conselhos regionais foram instituídos em 1941, durante o período de turbulência política do governo do presidente Getúlio Vargas, conhecido como Estado Novo. Posteriormente, houve uma tentativa de reestruturá-los, novamente em uma conjuntura autoritária da sociedade brasileira, entre 1975 e 1977. 

    O Arquivo Público do Paraná havia recebido milhares de documentos em 1987 com pouca ou nenhuma identificação e sem qualquer organização. Somente em 2012 foi dado início ao tratamento técnico da documentação, pela parceria firmada com a UFPR, que envolve alunos da pós-graduação em História e bolsistas de graduação, que recebem noções de técnicas básicas de arquivologia.

    O acervo do CRD-PR de posse do Deap é de aproximadamente 70 mil documentos originais e cópias, manuscritos, datilografados, impressos e fotografias. O projeto que vem sendo desenvolvido e foi descrito na Revista Acervo consiste na identificação, descrição, classificação e disponibilização para a comunidade científica e público em geral, via web.

    Até agora, os conteúdos de 142 das 264 caixas de documentos já foram classificados e divididos em seis séries documentais: atestados liberatórios, atletismo, contratos, ofícios, rescisão de contrato e termos de empréstimo. São 1.493 itens disponíveis para consulta pública e prontos para serem divulgados na web. 

    Revista Acervo do Arquivo Nacional

    Foto: Trabalho foi publicado na Revista Acervo, do Arquivo Nacional, uma das mais respeitadas do País

    Leia mais

  • PGD - PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL



    A organização dos arquivos públicos físicos e digitais contribui diretamente para a eficiência do fluxo de trabalho e para agilidade do trâmite da documentação nos órgãos, como também reflete na resposta à sociedade com relação ao acesso às informações e documentos. Levando em consideração a relevância deste trabalho, o Departamento Estadual de Arquivo Público, por meio da equipe técnica do Programa de Gestão Documental – PGD, realiza atividades práticas, com o objetivo de trabalhar a classificação, arranjo e descrição arquivística de documentos, avaliando os termos e os códigos dos documentos que ficam acumulados nos arquivos. Utilizando o Repositório Digital Oficial Experimental é possível desenvolver a modelagem inicial para elaboração  do Manual de Arquivo e Tabela de Temporalidade Documental das atividades-fim de cada secretaria ou órgão.


    Com o apoio da Escola de Governo será possível atender todos os Órgãos e Secretarias de Estado.


    curso                                                        Dia de Arquivo realizado no Hospital Regional da Lapa São Sebastião, em parceria com a Escola de Governo. (2013)



    Participam servidores produtores de documentos, integrantes das comissões e interessados em desenvolver a gestão documental junto às Comissões Setoriais de Avaliação de Documentos - CSA's, que produzam ou trabalham com documentos de arquivo. O objetivo é que o curso seja a primeira etapa de um trabalho permanente, com os encaminhamentos iniciais para elaboração de manual de arquivo específico e conceituação de termos de transferência, eliminação, digitalização e/ou microfilmagem, e tramitação de documentos híbridos via workflow.
     
    curso   Utilizando o Repositório Experimental com a Equipe de Gestão Documental.

     

    Leia mais

  • Mbá de Ferrante ganha Biblioteca no DEAP

     
    bliii
                                    
      O Departamento Estadual de Arquivo Público- DEAP inaugurou no dia 23 de outubro de 2013 a Biblioteca Mbá de Ferrante


    O espaço é uma homenagem póstuma ao jornalista, advogado e ex-diretor do DEAP, Mbá de Ferrante, pelos relevantes serviços prestados ao Arquivo Público e ao Estado do Paraná. Ele esteve à frente do DEAP por 30 anos ininterruptos, de 1956 a 1987, e dedicou- se com afinco à preservação da memória administrativa do Estado. Implantou no DEAP o processo de microfilmagem para armazenamento e preservação dos documentos. Com o incêndio ocorrido no prédio do Departamento, em 1989, a memória institucional do Estado  foi recuperada graças à microfilmagem feita por Mbá. Entre eles, relatórios de presidentes de Província do Estado e livros de instruções públicas do século XIX. A cerimônia de inauguração teve a presença de familiares do homenageado, representantes das Secretarias de Estado da Administração e da Previdência e da Secretaria de Cultura e de servidores do DEAP que, por meio de um trabalho realizado em conjunto com a direção do arquivo, reproduziram o ambiente de trabalho do ex-diretor. No mesmo local há uma exposição sobre a vida e a obra de De Ferrante. A diretora do DEAP, Maria da Graça Simão Gonçalves, proferiu um discurso emocionado e relembrou a dedicação e o respeito do ex-diretor à memória do Estado. "Em 28 de outubro de 1978, quando Mbá conseguiu, com sua perseverança, sangue, suor e, quem sabe, muitas e muitas lágrimas, dar uma sede digna ao Arquivo Público, depois desta instituição peregrinar por vários e inadequados locais, estampou em uma pedra, na entrada do arquivo, a seguinte frase de William Shakespeare": "O passado é o prólogo.”  
    A viúva do ex-diretor, Fanny Miró de Ferrante, participou do evento, acompanhada dos três filhos do casal, netos e bisneto. "É uma homenagem muito justa a ele, que dedicou parte da vida, ao Arquivo Público", destacou. 
     "O Arquivo Público está dando um passo importante ao reconhecer uma pessoa que foi tão importante na organização do Departamento. Às vezes, os servidores ficam esquecidos e a estrutura é mais valorizada do que aqueles que a fizeram ser o que é", analisou o diretor do Museu Paranaense Renato Carneiro.

    "Eu nunca vi um paranista como meu irmão. Ele tinha um grande amor pelo Paraná e pelo Arquivo Público. Por isso, zelava com tanto carinho pela memória do Estado",
    disse a irmã e vice-presidente do Centro Paranaense de Cultura, Ceres de Ferrante. O funcionário aposentado, Edson de Freitas Barddal, trabalhou com Ferrante durante 31 anos e relembrou com entusiasmo algumas das características do ex-diretor. "O doutor Mbá foi um grande estimulador de todos que o cercavam, vivenciando a sua condição de funcionário", disse.


    O evento também comemorou o Dia do Arquivista (20 de outubro) e a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca (23 a 29 de outubro).


    mba1mba2

    Leia mais