• Denuncie a corrupção
  • portal da transparência
  • fale com o ouvidor
  • Associação dos Amigos do Arquivo Público do Paraná
  • Parceria
  • Memórias Relevadas
  • Arquivo Nacional
  • Brasil - Um país de todos
  • Lei de Incentivo à Cultura - Ministério da Cultura

EXPOSIÇÃO - OS POLONESES DO ACERVO RUY WACHOWICZ


APRESENTAÇÃO

O perfil da Coleção Ruy C. Wachowicz recebida em 2005, é o do estudo sobre o imigrante polonês estabelecido em colônias no Paraná e em Santa Catarina a partir da década de 1870. As duas mil imagens que a compõem foram utilizadas como instrumento de pesquisa do professor Ruy e hoje nos permitem recuperar o que muitos documentos oficiais escritos por si só não possibilitariam, tanto pelas lacunas existentes, como também porque a historiografia brasileira, desde meados do século XX, vem nos legando muitas novidades para o estudo do mundo do trabalho, ampliando a visão para além da análise dos movimentos operários organizados, e colocando em evidência formas de trabalho diversas constituídas entre a escravidão e a liberdade.

Quem foi Ruy Christovam Waschowicz?

Professor, doutor em História pela Universidade Federal do Paraná. Natural de Itaiópolis/SC, nasceu em 26 de maio de 1936. Descendente de poloneses, dedicou-se ao estudo do tema ligado à colonização polonesa em terras do Paraná; produziu vários artigos e livros. Coordenou a organização do “Almanaque Polonês”. Na década de 1970, idealizou o 1º curso livre e gratuito dedicado à história de Curitiba, capital do Paraná.
Ocupou a cadeira nº10 da Academia Paranaense de Letras, onde criou as Semanas de História, ainda hoje realizadas.
Faleceu em Curitiba em 19 de agosto de 2000.

Considerando o potencial inesgotável do acervo, o Arquivo Público do Paraná publicou o livro Imagens do trabalhador imigrante no sul do Brasil: os poloneses do acervo Ruy C. Wachowicz e, em conjunto com o Consulado Geral da Polônia no Brasil, pode produzir esta exposição itinerante - que você pode conhecer na íntegra no Espaço Cultural do AAPPR - a fim de divulgar e melhor compreender o universo do imigrante polonês e sua contribuição para a formação dos espaços rural e urbano por meio da sua arquitetura, técnicas agrícolas originais, entre outros aspectos.

A exposição é uma amostra do tratamento, seleção, identificação e reprodução de 300 fotografias desse universo imagético, ações estas viabilizadas pela conquista de um prêmio, pelo Arquivo do Paraná, junto ao Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getúlio Vargas (CPDOC/FGV – Programa Memória do Trabalho), para a publicação do livro citado.


Publicação do APPR
“Imagens do trabalhador imigrante no Sul do Brasil – O acervo
Ruy Christovam Waschowicz”




Tomás Coelho, um senhor, 1957: “Tomás Coelho cumpriu com os objetivos de seu fundador [Lamenha Lins, 1876]. Tornou-se uma típica comunidade camponesa em regime de pequena propriedade. (...). A comunidade camponesa de Tomás Coelho não sobreviverá ao impacto da expansão industrial. (....). Porém, no transcurso desses últimos cem anos, a comunidade manteve-se camponesa por excelência.”
WACHOWICZ, R. C. Tomás Coelho: uma comunidade camponesa. Curitiba: Prefeitura Municipal de Araucária/Real Artes Gráficas, 1977, pp. 43 e 44.


Victor Gomes da Costa, memórias de Araucária: “O tempo está dizimando a velha geração de imigrantes. Leva-os inapelavelmente, implacavelmente, para o merecido descanso. Em seu lugar vieram novos homens – brasileiros com cabelos loiros, olhos azuis (...) amantes da liberdade, da terra e do trabalho.”
Memórias de Koscianski, por Romão Wachowicz. IN. Anais da Comunidade Brasileiro-Polonesa, v. III, 1971, pp. 79.

Cena típica nas proximidades da colônia Tomás Coelho(PR) – O colono com sua esposa (1926), com seus dois genros, diante de uma venda, na localidade de Campo Magro, em Araucária: “Entramos numa venda polonesa. O dono recebeu-nos com cachaça, broa e lingüiça polonesa. (...). Ao meio uma mesa e bancos pesados. Tudo respira gosto polonês.”
Memórias de Koscianski, por Romão Wachowicz. IN. Anais da Comunidade Brasileiro-Polonesa, v. III, 1971, pp. 89.


Casa do senhor Jozef Boboy: “Casa primitiva de imigrantes da colônia Tomás Coelho (Paraná). Esse tipo de construção, trazido pelos imigrantes, é chamado de dom wegowy. Alguns exemplares ainda subsistem na colônia. A casa da foto foi construída em 1886.”
Arquivo Público do Paraná. Coleção Ruy Wachowicz.


“Araucária, visita de um grupo de teatro amador de São José dos Pinhais, 1914 e 1915”.
Arquivo Público do Paraná. Coleção Ruy Wachowicz.

Construções rurais de colonos poloneses, 1912: “O homem sem terra esmorece, como a árvore arrancada do solo. Construí minha propriedade. Anualmente recebia a visita da cegonha. (...). Os colonos mais velhos orgulham-se de possuírem 15, 16 e até 23 filhos. Se um batalhão desses marchar para a roça, o trabalho necessariamente terá que render. Os níqueis podem acumular-se nos baús.”
Memórias de Koscianski, por Romão Wachowicz. IN. Anais da Comunidade Brasileiro-Polonesa, v. III, 1971, pp. 67-68.

Alguns dos muitos livros publicados



Documentos do acervo

Recomendar esta página via e-mail: